Bienal do Mercosul terá como tema arte, feminismo e emancipação

A próxima edição da Bienal do Mercosul, realizada em Porto Alegre de 9 de abril a 5 de julho de 2020, no Museu de Arte do Rio Grande do Sul, no Memorial do Rio Grande do Sul e no Santander Cultural, em Porto Alegre, terá como tema a relação entre arte, feminismo e emancipação. Na coletiva de imprensa realizada na manhã desta quarta-feira, a Fundação Bienal de Artes Visuais do Mercosul anunciou oficialmente o nome da curadora chefe da Bienal 12, a escritora, professora e pesquisadora argentina Andrea Giunta.

Segundo ela, o assunto desta edição está no centro dos debates e das revisões críticas do cânone da arte. “A capital gaúcha é uma cidade ideal para atuar como caixa de ressonância e instrumento ativador de uma questão urgente. A Bienal pretende reunir posições radicais, abordá-las em uma perspectiva internacional e latino-americana, e contribuir para um mapa ativo da transformação política das subjetividades no mundo contemporâneo”.

No evento, Gilberto Schwartsmann, diretor-presidente da Fundação Bienal do Mercosul e presidente da Diretoria executiva da Bienal 12 ressaltou que a proposta é abordar problemas complexos, tanto na exposição quanto no programa desenvolvido nos próximos dois anos. “É uma bienal que apresenta enormes desafios, uma vez que aborda uma questão urgente para a arte e para a sociedade”, explica ele. O título da exposição e a equipe de curadoria serão anunciados no final do ano.

Andrea Giunta conta com uma ampla experiência na arte latino-americana no cenário internacional, incluindo exibições, ensaios de revistas especializadas e catálogos de exposições, ensino e investigação acadêmica. Seus campos de interesse incluem a arte do século 20 e 21 da América Latina e do mundo. É autora de diversos escritos a respeito de arte latino-americana, memória e política, o poder das imagens – particularmente sobre a obra Guernica, de Picasso – e a relação entre arte, gênero e feminismo na América Latina.

Andrea Giunta Crédito: Divulgação

É pesquisadora principal do Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas da Argentina e professora de Arte Latino-Americana e de Arte Internacional na Universidade de Buenos Aires. Foi “Chair in Latin American Art History and Criticism” na Universidade do Texas em Austin, onde também foi diretora fundadora do Center for Latin American Visual Studies (CLAVIS). Foi professora visitante da École des Hautes Études en Sciences Sociales (Paris), professora visitante da Universidade Nacional Autônoma do México, professora visitante da Universidade de Duke, em Durham (EUA), professora visitante da Universidade de Monterrey (México) e “Tinker Visiting Professor” da Universidade de Columbia (Nova York), entre outros créditos acadêmicos. Foi palestrante em museus e universidades como o MoMA (Nova York), o Museu Centro de Arte Reina Sofía (Madri), o Haus der Kunst (Munique), o Bahnhof Museum (Berlim), a Harvard University, a University of California (Berkeley), o Art Institute (Chicago), a Princeton University e a New York University.

Andrea  também é autora de diversos livros, como Avant-Garde, Internationalism and Politics, Argentine Art in the Sixties (Duke University Press), Poscrisis (Siglo XXI), Escribir las Imágenes (Siglo XXI), Objetos Mutantes (Palinodia), ¿Cuándo Empieza el Arte Contemporáneo? (ArteBA) e El Guernica de Picasso (Biblos). Seu livro mais recente, Feminismo y Arte Latinoamericano, foi publicado em 2018 pela editora Siglo XXI. Foi curadora da Retrospectiva de León Ferrari, apresentada no Centro Cultural Recoleta, em Buenos Aires, e na Pinacoteca de São Paulo; cocuradora da exposição Extranjerías, com Néstor García Canclini, no Museu de Arte Contemporânea da UNAM, no México; e cocuradora de Verboamérica, com Agustín Pérez Rubio, no Museu de Arte Latinoamericana de Buenos Aires. Atualmente, é cocuradora da exposição Radical Women. Latin American Art, 1960-1985, com Cecilia Fajardo-Hill, exibida no Hammer Museum de Los Angeles, no Brooklyn Museum de Nova York e na Pinacoteca do Estado de São Paulo.

Ao longo de sua trajetória, a Fundação Bienal do Mercosul sempre teve como missão a ênfase nas ações educativas e os seguintes princípios norteadores: foco na contribuição social, buscando reais benefícios para os seus públicos, parceiros e apoiadores; contínua aproximação com a criação artística contemporânea e seu discurso crítico; transparência na gestão e em todas as suas ações; prioridade de investimento em educação e consolidação da Bienal como referência nos campos da arte, da educação e pesquisa nessas áreas.

Em 22 anos de existência, a Fundação Bienal do Mercosul realizou 11 edições da mostra de artes visuais, somando 615 dias de exposições abertas ao público, 74 diferentes exposições, participação de 1.759 artistas, com 4.849 obras expostas, intervenções urbanas de caráter efêmero e 16 obras monumentais deixadas para a cidade. Foram 6.061.698 visitas com acesso totalmente franqueado, 1.283.269 agendamentos escolares e 207.477 metros quadrados de espaços expositivos preparados, áreas urbanas e edifícios redescobertos e revitalizados. A Bienal do Mercosul contabiliza ainda 76.500 exemplares distribuídos dos catálogos das mostras, 298.000 exemplares de material didático produzido para alunos, professores e instituições de ensino, 216 patrocinadores e apoiadores ao longo da história e mais de 12.825 empregos diretos e indiretos gerados – além de seminários, conversa com o público, oficinas, curso para professores, formação e trabalho como mediadores para 1.893 jovens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *